Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Veja e as diferenças

por Manuel_AR, em 16.03.11
Captei este texto na NET, que compara Portugal e Nova York, e resolvi colocá-lo neste Blogue. Não confirmei alguns dos dados incluidos na informação mas alguns dos pontos são exactos.

Para reflectirmos aqui vai o o tema cujo título dado pelo autor foi "Afinal não somos pobres... somos estúpidos"

Estava há dias a falar com um amigo meu nova-iorquino que conhece bem
Portugal.

Dizia-lhe eu à boa maneira do "coitadinho" português:

... Sabes, nós os portugueses, somos pobres ...

Esta foi a resposta do meu amigo:

Como podes tu dizer que sois pobres, quando sois capazes de pagar por um
litro de gasolina, mais do triplo do que pago eu?

Quando vos dais ao luxo de pagar tarifas de electricidade e de
telemóvel 80 % mais caras do que nos custam a nós nos EUA?

Como podes tu dizer que sois pobres quando pagais comissões bancárias por
serviços e por cartas de crédito ao triplo que nós pagamos nos EUA?

Ou quando podem pagar por um carro que a mim me custa 12.000 US Dólares
(8.320 EUROS) e vocês pagam mais de 20.000 EUROS, pelo mesmo carro? Podem
dar mais de 11.640 EUROS de presente ao vosso governo do que nós ao nosso.

Nós é que somos pobres: por exemplo em New York o Governo Estatal, tendo em
conta a precária situação financeira dos seus habitantes cobra somente 2 %
de IVA, mais 4% que é o imposto Federal, isto é 6%, nada comparado com os
23% dos ricos que vivem em Portugal. E contentes com estes 23%, pagais ainda
impostos municipais.

Um Banco privado vai à falência e vocês que não têm nada com isso
pagam, outro, uma espécie de casino, o vosso Banco Privado quebra, e vocês
protegem-no com o dinheiro que enviam para o Estado.*
*E vocês pagam ao vosso Governador do Banco de Portugal, um vencimento anual
que é quase 3 vezes mais que o do Governador do Banco Federal dos EUA...

Um país que é capaz de cobrar o Imposto sobre Ganhos por adiantado e Bens
pessoais mediante retenções, necessariamente tem de nadar na abundância,
porque considera que os negócios da Nação e de todos os seus habitantes
sempre terão ganhos apesar dos assaltos, do saque fiscal, da corrupção dos
seus governantes e dos seus autarcas. Um país capaz de pagar salários
irreais aos seus funcionários de estado e da iniciativa privada.

Os pobres somos nós, os que vivemos nos USA e que não pagamos impostos sobre
o ordenados e ganhamos menos de 3.000 dólares ao mês por pessoa, isto é mais
ou os vossos 2.080 €uros. Vocês podem pagar impostos do lixo, sobre o
consumo da água, do gás e da electricidade. Aí pagam segurança privada nos
Bancos, urbanizações, municipais, enquanto nós como somos pobres nos
conformamos com a segurança pública.

Vocês enviam os filhos para colégios privados, financiados pelo estado (nós)
enquanto nós aqui nos EUA as escolas públicas emprestam os livros aos nossos
filhos prevendo que não os podemos comprar.

Vocês não são pobres, gastam é muito mal o vosso dinheiro!

Pode ver em:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:18

Veja as diferenças: nós e os outros nos respectivos contextos

por Manuel_AR, em 10.03.11
Durante o longo mandato de Margaret Tatcher à frente da Grã-Bretanha (1979 a 1990), por coincidência em 1979 a OPEP subiu 50% o preço do barril do petróleo face ao ano anterior, após o primeiro choque petrolífero de 1973. Segundo analistas da política e da economia o seu mandato conduziu o país a um descalabro e o povo ao desemprego e à pobreza.
Com as políticas  governamentais que foram tomadas a produção industrial diminuiu trazendo consigo o  incremento do desemprego que aumentou três vezes mais desde que foi eleita.  As falências e o fecho de empresas aumentaram  devido à austeridade ao mesmo tempo que a inflação aumentava, contrariamente ao que inicialmente se pretendia, conduzindo a economia do Reino Unido em 1981 a uma profunda recessão.  As políticas do governo  durante os anos 80 e parte de 90 tenderam a beneficiar os membros mais abastados da sociedade acentuando as privações dos mais desfavorecidos.
O pretexto que servia de justificação as medidas então tomadas eram os factores relacionados com políticas do governo para a revitalização da economia. Os direitos da  "Employement Protection Act", (Lei de Protecção do Emprego), foram reduzidos e paralelamente procedia-se à redução dos salários dos trabalhadores e à privatização da indústria anteriormente nacionalizada.
As teorias que apoiavam as medidas da primeira ministra Tatcher assentavam no princípio da redução da taxa de imposto sobre os rendimentos dos indivíduos e das empresas que seriam factores de crescimento económico que, por sua vez, iriam gerar crescimento económico possibilitando fluxos de financeiros para os mais pobres. A redução de impostos eram vistos como indispensáveis para a promoção de investimentos produtivos, para a criação de mais empregos e mais prosperidade.
Como consequência daquela governação, na década de oitenta, o fosso entre os membros mais ricos e mais pobres da sociedade aumentou de forma drástica. A Grã-Bretanha encontrava-se em segundo lugar  na tabela dos países  industrializados, apresentando entre 1977 e 1990 o crescimento mais profundo de desigualdade económica. Esta situação foi-se alterando para melhor entre 1999 e 2003 de acordo com as estatísticas das desigualdades sociais sobre o trabalho, educação, saúde e rendimentos (http://www.statistics.gov.uk/hub).
 A falha da teoria em que assentava a política da Srª Tatcher foi também sustentada na prática por sete anos de governo na Alemanha em que os sete anos de governo "social-democrata" de Gerhard Schröder entre 1998 e 2005 se caracterizou por ser um período de maior isenção de impostos a grandes empresas, o que conduziu a um aumento do desemprego que chegou  oficialmente a 5 milhões de desempregados, 10,6% em 2005 e 11,7% em 2007 tendo diminuído drasticamente em 2007 para 7,6%.
O que então aconteceu foi que os impostos foram reduzidos ou isentados para a maioria das empresas alemãs ao mesmo tempo que foram também reduzidos  ou até abolidos os impostos sobre riquezas, as heranças e os lucros, ficando a recolha de impostos originária apenas de rendas, "ter um cão pagava imposto". Desta forma os impostos pagos pelos alemães através dos impostos originários de rendas e licenças supera o total dos impostos pagos pelo total das empresas.
No caso português ainda não chegámos a este ponto, mas pelo que podemos ver e ouvir, para lá caminharemos se os governos responsáveis pelo endividamento do Estado, ou os que vierem, cairem na tentação de ceder à ineficácia comprovada da política neoliberal. Sem uma reflexão profunda (veja-se o exemplo da Alemanha)  apostar sem qualquer espírito crítico  na redução de impostos com vistas à geração de empregos, sob a alegação de que a taxação tributária de grandes empresas estimularia a migração para outros países centrando a culpa na globalização, no mercado e na concorrência. Todavia não estamos a afirmar implicitamente que o aumento desmesurados dos impostos incidindo sobre a classe média feitos pelo actual governo será o caminho certo, antes pelo contrário, as políticas actuais conduzem-nos a uma recessão sem precedentes se com o governo que suceder a este não reduzir forem progressivamente os imposto quando e se a retoma alguma vez se iniciar.
Desta reflexão podemos ver as diferenças ou semelhanças com o caso português, considerando as suas especificidade, aprendendo com os erros de uns e aproveitando boas práticas de outros. Quem nos vier a salvar  do pesadelo da actual situação que nos foi imposta deverá ter isso em conta. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:45



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Links

  •  
  • Política e Sociedade


    Arquivos

    2019

    2011